Como irritar um torcedor brasileiro de futebol

Como irritar um torcedor brasileiro de futebol

Lembre-nos do maracanazo.

Em uma tarde de domingo em 1950, o Uruguai recuperou de sua desvantagem para vencer o Brasil na final da Copa do Mundo, deixando os 200.000 torcedores lotados no estádio do Maracanã absolutamente mudos. o maracanazo (algo como “o golpe do estádio do Maracanã”), considerado o pior desastre da história do futebol, tomou forma onze minutos antes do final da partida, com um gol de Ghiggia, que posteriormente declarou: “O silêncio foi tanto que, se um mosca passando, nós ouviríamos seu zumbido. ”

A simples lembrança do episódio já é suficiente para matar o ânimo de quem viveu a Copa do Mundo de 1950, e sua recontagem dá arrepios nos que nasceram depois.

Elogios Galvão Bueno.

Galvão Bueno, a voz mais famosa da TV brasileira, narrou oito Copas do Mundo (duas delas conquistadas pelo Brasil), os títulos da Fórmula 1 conquistados por Ayrton Senna e alguns jogos olímpicos. E, depois de cometer vários erros ao vivo, deu origem a um movimento de mídia social chamado Cala boca, Galvão (“Cale a boca, Galvão”), obrigando sua emissora de TV a baixar o volume do ambiente dentro dos estádios de futebol para abafar o barulho da multidão xingando-o em coro.

É impossível para qualquer torcedor brasileiro não pensar em Galvão Bueno quando a Copa do Mundo se aproxima. Mas isso está prestes a mudar. Galvão já anunciou sua intenção de se aposentar da Copa do Mundo comentando depois de 2014 no Brasil. A multidão aplaude.

Empregue alguma habilidade de jogo argentino.

Essa estratégia está funcionando há décadas. Se você fala espanhol, veste a camisa azul e branca e começa a fingir uma lesão ou a provocar qualquer um de nossos jogadores, ficaremos chateados. E nossa equipe também.

Diga-nos que o futebol é corrupto e os resultados são fixos.

Na Copa do Mundo de 1998, o melhor jogador do Brasil, Ronaldo, adoeceu misteriosamente antes da final e não pôde jogar. O Brasil perdeu a partida para a França, gerando conspirações. Na final da Copa do Mundo de 2002, foi a destreza de Ronaldo (e dois uivos do goleiro alemão Oliver Kahn) que conquistou o título mundial para o Brasil.

Três anos depois, 11 jogos do torneio nacional do Brasil foram anulados devido a um escândalo de suborno envolvendo árbitros. O troféu foi tirado das mãos dos atuais campeões e entregue ao Corinthians, clube de futebol que construiu um estádio particular com dinheiro do contribuinte para custear a Copa.

O torcedor brasileiro de futebol já viu tudo isso. E mais. Mas não se atreva a dizer que nosso lindo jogo é apenas faz de conta. Afinal, quase não há dinheiro fluindo nos bastidores ...

Menosprezar a nossa liga nacional porque enviamos todos os nossos jovens talentos para a Europa.

Sim, exportamos nossas joias com antecedência. Ronaldinho foi para a Europa aos 20 anos. Robinho, aos 19. Pato, 17. Mas também é verdade que o Brasileirão, nosso campeonato, tem trazido de volta muitos desses ídolos ultimamente: Ronaldo, Ronaldinho, Adriano, Robinho, e Pato são apenas alguns exemplos de estrelas que voltaram da Europa para jogar em sua terra natal.

No final das contas, o Brasileirão é comumente considerado o torneio mais desafiador do mundo e, portanto, o mais emocionante de assistir, e aquele que menos merece ser desprezado.

Discutir sobre qual é a rivalidade regional mais forte do país.

Gaúchos (pessoas do estado mais ao sul do Brasil) vão defender seu clássico local. Os torcedores do Corinthians vão falar da rivalidade com o vizinho Palmeiras. Os cariocas (cariocas) se recusam a falar sobre qualquer coisa além do FlaFlu, seu famoso clássico regional.

Como diria minha avó, há uma tríade brasileira sobre a qual você nunca deve discutir: política, religião e futebol.

Defenda o árbitro, o juiz de linha ou, pior ainda, as linhasmulher.

No Brasil, os árbitros de futebol são universalmente vistos como pessoas más. Os bandeirinhas, em sua tarefa solitária e amaldiçoada de aplicar a regra do impedimento e não permitir gols, são declarados culpados por quase todas as derrotas.

A situação é ainda pior para as mulheres de linha. As linhas de linha já eram arengadas e provocadas antes que Ana Paula Oliveira, a mais famosa linha das linhas do país, posasse nua para Playboy depois de ser retirada da liga nacional por erros que cometeu. Após este episódio, fones de ouvido com cancelamento de ruído são definitivamente recomendados para mulheres da linha de serviço.

Manter o mesmo treinador por alguns anos.

A seleção brasileira nunca teve o mesmo técnico por mais de seis anos. Para um clube, manter um treinador por mais de dois é motivo de comemoração - provavelmente não duradouro. Sempre vem um mau período, a responsabilidade recai sobre os ombros do treinador, a chefia do clube cede à pressão dos torcedores e o ciclo continua.

Seja litigioso.

Em 2013, depois que uma polêmica decisão judicial garantiu a eles uma vaga na primeira divisão, o Fluminense (popular time de futebol carioca) tornou-se alvo de ira de torcedores de todos os outros clubes do país. A Portuguesa, time que foi rebaixado para a segunda divisão no lugar do Fluminense, recebeu apoio e simpatia enquanto lutava, sem sucesso, para revogar a decisão do tribunal de descontar pontos do clube.

Posteriormente, a Portuguesa firmou contrato de patrocínio com uma empresa de tapetes (“tapete grande” é a expressão brasileira para duvidosos recursos judiciais executados por times de futebol). Em seguida, ameaçou jogar a segunda divisão com as cores do Fluminense, e a direção da equipe considerou desistir do campeonato por completo. Portuguesa é apenas um exemplo. Todo torcedor brasileiro de futebol odeia ações judiciais (o “tapete grande”). Assim como os europeus odeiam mergulhadores brasileiros que jogam em suas ligas.

Proibir a venda de cerveja dentro dos estádios.

Eu era muito jovem para prestar atenção quando entrou em vigor a proibição da venda de álcool nos estádios de futebol brasileiros. Mas, a julgar pela forma entusiástica como a notícia da reversão do banimento foi recebida, tenho certeza de que os fãs devem ter ficado realmente irados quando a proibição foi feita.


Assista o vídeo: Copa 2018 - Russos reforçam torcida brasileira